Páginas

Pesquisar este blog

sábado, 27 de agosto de 2011

Rafinha Bastos



Bem é um desafio a mim falar de Rafinha Bastos, uma vez que agora que estou conhecendo o trabalho dele, e amanhã terei o prazer de assistir a uma apresentação dele ao vivo.



Digo prazer, admiro a pessoa pelo pouco que conheço, apesar dele já estar aí na estrada há algum tempo. O conheci recentemente em um vídeo que ele participou com o PC Siqueira, ai que eu fui ver quem era o “tal” Rafinha que alguns vinham comentando. Parece jocoso já que elem faz parte de um programa na TV.



Eu não assisto TV, não sei nada que acontece na TV, a não ser por raras vezes que passo pela sala, e e alguém está assistindo a mesma e algo me desperta atenção (foi assim com Padre Fábio de Melo que conheci através da propaganda do Cd vida).



Assim em uma viagem que eu fiz recentemente tive tempo o bastante para assistir a vários vídeos do Rafinha, e ler também críticas sobre o mesmo. A viagem tinha dentre seus objetivos, ter um contato maior comigo mesmo, e foi através de um vídeo do Rafinha que tive a oportunidade de encontrar uma descrição a mim que se resumisse em uma só palavra: aprender.
Neste vídeo ele dizia que muito do que ele faz hoje aprendeu com o pai, e embora o pai dele não tenha muita haver com o que ele faz hoje ele aprendeu assim mesmo.



A partir desse vídeo eu também comecei a aprender a fazer leituras diferentes daquela pessoa que eu estava virtualmente conhecendo. A qual eu a principio seguia muito uma “convenção social” de ataque ao mesmo, da postura dele. Não digo nem crítica, pois eu tenho uma concepção de que toda critica é construtiva já que você observa uma situação a analisa e logicamente coloca como deveria ser.Não existe critica destrutiva, é ataque puro, qualificações desfavoráveis, acusações, etc.



E com o Rafinha acontece isso quem gosta dele gosta e pronto, não necessita de explicações. Porém existe uma gama que não diz não gostar, mas o ataca. Geralmente o ataque surge quando se necessita de uma defesa. Então isso pode se concluir que o que ele fala toca na vulnerabilidade de muitos.



Devido a uma crítica (critica mesmo) que fiz a um humorista local aqui da cidade e comentar que iria ao show do Rafinha me perguntaram qual a diferença de um para o outro, enquanto um eu critiquei de ter postura homofóbica o outro está sendo acusado de apologia ao crime.



Como o Texto é sobre o Rafinha me deterei ao mesmo, que está sendo investigada por discriminação, apologia a crime dentre outros. Não sei de todos os ocorridos, mas falarei de três situações aqui que envolve a pessoa.



Primeiro o caso dele falar que as pessoas de determinado estado são todas feias. Eu entendo discriminação como aquilo que exclui. Ele não excluiu a população do local, apenas emitiu uma opinião dele, que de certa forma teve uma repercussão positiva para o Estado, pois muitos acessaram o site do mesmo para verificar se é verdade e foram lembrados, já que são tão esquecidos enquanto pertencentes ao Brasil.



Outro caso que o envolve é sobre crianças acometidas por dislexia (se não me engano), que ele justificou como sendo uma forma discreta e carinhosa (algo assim) de pais para não dizerem que seus filhos tem dificuldade de aprendizagem, mas usou termos mais pesados para isso.



Olha, me desculpem os defensores, o Rafinha pode até ter sido infeliz na colocação, mas eu o interpreto de uma forma bem diferente, como quem alerta que no mundo de hoje tentam amenizar situações sérias, e acabam no descaso. Exemplo claro, e não citado por eles é a mudança do nome da doença psicose maníaco depressiva para transtorno bipolar. O que mudou? Só o nome, e a indiferença, pois a amenização transformou a doença em algo entendido como um simples piti de mudança de humor, e não é bem assim. Tenho certeza absoluta, que se um dia ele tiver um filho com dislexia ele não mudará o discurso e amará o filho muito mais do que muitos pais que têm filhos normais. Exemplo disto também está em Mainardi, que tem um filho com deficiência mental e quantas vezes chamou políticos de perturbados ou coisa pior....



Por ultimo falarei do caso de apologia ao crime, no qual ele diz que só mulher feia é estuprada, que o estuprador deveria receber um abraço pra isso. Apologia quer dizer louvor a algo. Incentivar algo. Alguém acha que haverá aumento de estupro só porque os seqüestradores querem um abraço?



O que entendo dessa colocação dele é muito mais uma critica á sociedade, em que mulheres acima do peso, com algum problema físico, ou que não são tão belas como as chamadas “patricinhas” são esquecidas, só servem para o sexo e nada mais, são usadas, e a sociedade capitalista do apelo à beleza continua ai, incentivando cabelos lisos, corpos magérrimos ou malhados, e por ai vai.



Na minha humilde opinião Rafinha e Mainardi se equiparam muito em termos de gênero de discurso. Vejam que coloquei GÊNERO de discurso e não tipo ou conteúdo, ambos me remetem muito ao inesquecível Boca do Inferno (Gregório de Matos). Só que Rafinha não escreve como o escritor, ele fala, e é nessa fala que ele expões de forma alegórica críticas sociais, com a pitada de humor, já que muitas dessas críticas remetem ao sofrimento humano e/ou social.



Dessa forma termino fazendo essa leitura da figura de Rafinha Bastos, uma versão moderna de uma literatura riquíssima que foi Gregório de Matos.




PS: Gregório de Matos, também chamado de boca do Inferno, é considerado o maior poeta barroco do Brasil e o mais importante poeta satírico da literatura em língua portuguesa, no período

Um comentário:

blog da angela vaz7 disse...

CQC custe o que custar,somente não pode fazer criticas aos donos,mais vejo diferente dos demais os bom senso há de prevalecer as vezes e um pouco de educação é bom.Mias,vai gostar todas as segunda-feira estou na Band.